Foi válido o caralho

A vida do sujeito era nada. Quando morreu, deixou em testamento um único desejo, a frase para seu epitáfio: “foi válido”.

Quando uma pessoa diz que alguma coisa foi válida – e essa pessoa, às vezes, sou eu – no fundo está querendo dizer que… Foi uma merda, uma porcaria bem grande. Como posso ter perdido meu tempo com isso? Mas fazer o que? Ser complacente com a existência medíocre. Então, foi válido. Quem garante que existe algo melhor para mim no mundo?

Dia destes fui em uma peça de teatro com sucesso retumbante, atores internacionais, público hipster e ingressos bem caros. Odiei profundamente. E adivinhem qual foi meu covarde comentário? Sim, tinha sido válido! Ir de táxi, na chuva, para um bairro distante perder meu tempo pagando muito por isso. Patinar de meias pela casa teria sido totalmente melhor.

Depois de uma noite de sexo, os amantes se entreolham e um pergunta: “Foi bom pra você?”. E o outro sussurra: “foi válido”.

Válido o caralho! Ou, justamente, a falta dele!