Chamego

Ela sempre do meu lado. Calcinha e moletom e suas meias velhas, seus cabelos embaraçados cheios de nós. Quando acordo querendo ser heroína, ela chega mais e diz: “precisa não”. Abro a janela, o sol gigante e ela propõe: “por que a gente não finge que está chovendo?”. Ai, minha preguiça. Que chamego, você!

Arquivado em:maistextos

Sobre o Autor

Escrito por

caótica, escritora, jornalista, roteirista, o outro blog é o defeito.com, rio de janeiro.