Captura de Tela 2015-07-24 às 11.13.09

Rota

Não existe coisa mais linda nesse mundo. Ele abre o porta-luvas daquele gol amarelo e – sem precisar se virar – lhe estende a mão com um pacote de lenços de papel.

– Vamos para onde?

E para onde íamos mesmo? Íamos para a Lua, para a Cidade do México, para as selvas escondidas do Laos. Íamos desbravar novas civilizações, percorrer todos os cafés de Paris, refazer a rota das especiarias, conquistar os18 territórios. Mas o mundo encurtou.

– Vamos para Gávea.

Não existe coisa mais linda nesse mundo do que aquele silêncio amoroso. Ele não vai tentar decifrar os motivos. Não vai dizer que você merece coisa melhor. Nunca argumentará que foi melhor assim. E que ao menos foi rápido. Que você já passou por isso. Ele não ousará falar que as coisas vão ficar bem.

Quem passa doze horas atrás de um volante sabe da vida de verdade.

Se você nunca chorou num banco de trás de um táxi, talvez você tenha amado de pouco. E por isso, justamente, tenha sido mais feliz.

* 02 Neurônio, 2006