As minhas dores

Quando cheguei, ali estavam. Vivas. Ainda sangravam mas me receberam com o mais doce dos abraços. E em troca do meu carinho, me deram todas as maravilhas. Tudo brilhava, tudo era amuleto. Aos sussurros, disseram que eu precisava ir, sem medo.

Foi um único salto.
Impreciso e trêmulo.
O que veio depois eu chamei de futuro