À porta

O passado bateu à minha porta
E eu abri pensando que era a pizza
O passado bateu à minha porta
E falei: não tem ninguém em casa!
O passado bateu à minha porta
Eu corri para o seu colo
Cheia de saudades
O passado bateu à minha porta
Com uma pilha de cartas antigas
No passado ainda escrevíamos cartas
Cartas antigas para amores velhos
O passado bateu à minha porta
Trouxe flores. Pediu desculpas
O passado bateu à minha porta
Com suas questões tão
Mas tão, mas tão, mas tão
Mil novecentos e antigamente
O passado bateu à minha porta
Disse que veio me dar um toque
Um conselho, uma confusão
O passado bateu à minha porta
E o resto vocês já sabem

Publicado por jô hallack

caótica, escritora, jornalista, roteirista, o outro blog é o defeito.com, rio de janeiro.