Agente é junto mesmo (e o disco do Gui Amabis)

guiruivo

Eu demorei para entender que era um erro. Sempre pensei que era pressa na digitação amorosa.  Mas não é não. Muitas pessoas, quando querem dizer “a gente” – tipo nós dois, eu e você – vão lá e juntam na maior alegria. E escrevem:  “agente”. Assim mesmo. Grudadinho.  Confesso que, quando me dei conta que era um deslize (tombo, queda livre) gramatical – e inacreditavelmente comum! – fiquei foi abismada. Convenhamos, um artigo e um substantivo, não poderia ser tão difícil assim!

Hoje, eu acordei ouvindo o disco do Gui Amabis – lindo, lindo – e a música “Ruivo em Sangue”. Como não sabia onde estava o encarte, fui dar aquele google. Sempre tem uma alma boa que perde tempo digitando as letras nestes sites de canções. Não deu outra. “E agente riu quando percebeu”. AGENTE. Fui conferir, no encarte está lá, separadinho. Mas quem digitou achou que era melhor juntar.

Foi aí que eu entendi (desta vez) de verdade. “A gente” – tipo nós dois, eu e você – é junto mesmo. Garradinho. Agente num chamego. Separar pra que?
Quem errou foi a gramática!

Você pode baixar o disco (e todos os outros) aqui, gratuitamente. E aqui só um flash de maravilha, do show do Gui semana passada na Audio Rebel com participação da Ava Rocha. Perdeu? Que vacilo!

PS: não me lembro do nome dela, mas tive uma professora de redação no colégio que, todos os dias, entrava em silêncio na sala e escrevia no quadro: “não há erro na língua”. Aí começava a aula. Isso durante um ano inteiro. Obrigada, professora.

Arquivado em:pop