Tubarão – ‘O pequeno livro das memórias fantásticas’

edupequenoPor Edu K

O ensandecido sol de verão com sua cara redonda e amarela atacou aquele veraneio na Praia Grande com tanta fúria que, se eu e meu pai estivéssemos com fome era só quebrar um ovo (ou dois, ou quatro, dependendo da larica) no asfalto de piche amolecido para que um delicioso “omelete ao molho de poeira” se materializa-se – humm que delícia – em frente aos nossos estômagos nem tão famintos assim pois, afinal, lá estávamos entrincheirados em outra missão quase impossível (mas nem tanto):

ENTRAR ESCONDIDOS NO CINEMA!

“Tubarão”, fenômeno do terror aquático e bilheterias mundo afora, havia acabado de estrear e, ele sem dinheiro, eu sem idade, tínhamos uma só chance de aplacar a minha insuportável ânsia – eu já era um pequeno movie freak, hehe – de ver o tal maldito filme: entrar correndo porta adentro quando a velha senhora que cuidada da roleta desse uma de suas famosas cochiladas!

Hehehe, dito e feito: assim que sua cabecinha branca pendeu para um lado, feito vovozinha assistindo novela das oito, após um breve e silencioso sinal de “avançar”, corremos de nosso posto avançado atrás de uma árvore, atravessando a rua suada de calor, fedendo a borracha queimada (que, no momento, mais me pareceu Napalm). Esquivando-nos dos certeiros raios e rajadas solares e dos carros que cruzavam em sua lentidão dominical de praia, tanques de guerra enferrujados e fora de forma e, contornando cuidadosamente a roleta, adentramos o incrível e mágico mundo da sala escura, mofada e de poltronas quebradas e sujas!

Moral da história: passei o resto do verão sem entrar no mar, com medo do maldito peixão mecânico de Spielberg!

eduk* “Tubarão” foi publicado em “O Pequeno Livro das Memórias Fantásticas. Volume I: contravenção”. Edu K (entre outras peripécias) é o vocalista da banda gaúcha mitológica e adorada DeFalla. “O Pequeno Livro … ” foi lançado “por volta” de 2000, um microzine no melhor estilo papel e xerox.

+ do Pequeno Livro das Memórias Fantásticas
“O comunicador do Aquaman” por Rodrigo Brandão (Gorila Urbano)
“Mentira” por Domenico Lancellotti