Meu protagonismo é uma arma pra te conquistar

cartaoEnquanto isso, nas escadarias da Cinelândia…

– Abaixa aí este cartaz!
– Por que?
– O protagonismo é nosso!
– Mas eu estou do lado de vocês. Vocês não sabem que esse cara é. Ele é tipo o Cunha da Argentina.

Ficou aquele climão. O argentino de coque samurai podia ou não ficar com seu cartazinho “Fuera Macri” na manifestação da mulherada? E agora? A praça lotada tinha Oxum, sapatão, bucetolândia, trans, mães, bebês, peito, glitter, batucada. Na buena, só ir dar pra roubar protagonismo se ele fosse, tipo assim, um gênio do crime. Fica aí, nego, fica de boa, não é protagonista mas fica como coadjuvante. Fica, vai ter bolo, fica de figurante com fala, vem com a gente até o fim do mundo.

Mas quando fica um climão, sabe como é. A defensora dos pobres e protagonistas foi para um lado. O moço confuso, para o outro. Acabou procurando guarita ao lado do vendedor de pipoca. Ficaram os dois ali, cada um com seu cartazinho.  “Fuera Macri” . “Aceito Visa e Mastercard”.

Ah, esses tempos de protagonismos e carteiras batidas…..

PS: Notícia do dia seguinte, para quem quer saber mais sobre a argentina.
“O anúncio de acordo entre o candidato conservador Mauricio Macri (Mudemos) e um médico do grupo católico conservador Opus Dei que se opõe a práticas anticoncepcionais reanimou o debate sobre políticas de gênero na Argentina”

manifleca
* Fotos da Alessandra Colasanti