Armaduras

armaduraEu ando muito cansada das armaduras.
Hoje eu quero lutar – mas de peito aberto – pelo meu direito absoluto de pedir colo. E dizer que eu não sei se tudo vai dar certo, não mesmo.
Eu ando muito cansada das armaduras, elas pesam.
(Quando foi mesmo que paramos de chorar?)
Eu ando muito cansada da valentia que não pode cessar jamais.

Outra coisa: esqueci o meu coração na tua casa, se achar me devolve (é um bem arranhado e dá choque).