A arte das listas

1Um certo dia, nos idos de não sei quando, tive uma briga fútil com minha amiga Nina.
Falávamos sobre os planos de dominação mundial do 02 Neurônio (que, como sabemos, falharam) e, num dado momento da discussão por email, ela escreveu assim: eu não aguento mais as suas listas. Quer dizer, na minha memória foi em letras bem garrafais em caps lock gigantes. EU NÃO AGUENTO MAIS AS SUAS LISTAS. EU NÃO AGUENTO MAIS AS SUAS LISTAS.

Verdade, eu tenho mania de listas.
Escrevo, reescrevo, agora mesmo, olhando por aqui, eu vejo umas três jogadas pela mesa.
As listas não fazem de mim uma pessoa organizada e fazedora de suas tarefas, não, não fazem.
Porque eu sou bagunceira (e tenho orgulho), procrastinadora (e morro de culpa), mas está lá no meu mapa astral: virgem com ascendente em virgem.
Então, eu faço listas.

Nesta época do ano, nos afeiçoamos ainda mais às listas. Guardamos os últimos dias de 2016 para tudo que há de ordinário nessa vida: marcar o exame médico, consertar o gás, passar no banco. A lista de 2017, por sua vez, é cheia de planos sonhadores, amar exageradamente, ficar na praia o mais tempo possível, desprezar o capitalismo, coisas assim.

E entre uma tarefa da minha lista (consultar o oculista) e outra (fazer os óculos), vi na vitrine da livraria o maravilhoso “Listas Extraordinárias”, de Shaun Usher, um obcecado pelo assunto. O livro tem mais de uma centena de listas, dos mais diversos temas. A lista das Bruxas de Salem, datada de 1692, com o nome das mulheres acusadas de bruxaria e de seus acusadores. A lista de todos os nomes possíveis para os sete anões (cinquenta, ao todo), pois nos contos de Grimm eles eram apenas os sete anões mesmo e só foram “batizados” na adaptação da Disney de 1934. Esbaforrido, Pavão, Ranheta, Piegas foram alguns que ficaram de fora. Em 1877, Thomas Edison também fez uma lista de nomes para a sua nova invenção, como orqueógrafo, trematofone, eletrofemista e palmofone. No fim das contas, escolheu fonógrafo.

Existem listas de amor, com uma “to do list” de Jonnhy Cash com a melhor tarefa de todos os tempos: Kiss June (seguida de “não beijar mais ninguém”). Uma lista de Sid Vicious com todas as coisas que ele amava em Nancy (conversa extremamente interessante e a buceta molhada mais linda do mundo). Uma lista de Marilyn Monroe dos homens que ela pegaria.

Existem listas de ódio, como uma de Albert Eistein para sua mulher, com as exigências que ela deveria seguir para que eles continuassem casados. Entre elas: “Você observará os seguintes pontos em suas relações comigo: não esperará nenhuma intimidade de minha parte, nem me repreenderá de forma alguma, parará de falar comigo, quando eu lhe pedir. Sairá do meu quarto ou de meu escritório imediatamente e sem objeções, quando eu lhe pedir.” Basicamente, a lista transforma o gênio da física num monstro, mas pelo menos Mileva Maric largou o marido alguns meses depois.

Muitas listas de escritores e poetas, de como escrever melhor, rascunhos de poemas, como levar a vida. Uma lista da violência em cantigas infantis escrita em 1952, em que o estudioso analisa as músicas e conta 2 casos de morte por asfixia, 1 caso de morte por esmagamento, 1 pela fome e 1 por ressecamento, 15 alusões a pessoas ou animais mutilados, 1 caso de ingestão de carne humana. Mark Twain fez uma lista com “etiquetas de salvamento de uma pensão em chamas”. Salvar primeiro as noivas, em segundo as pessoas pelo qual o salvador sente afeição, porém ainda não se declarou, só depois as irmãs. Os bebês estão no 13 lugar na ordem de salvamento, os empregados devem ser salvos antes dos proprietários. E os móveis, antes das sogras (o último item desta lista de 27)!

Do decálogo da máfia à lista de compras de Galileu para fazer um telescópio decente (o primeiro foi feito com lentes de óculos), de uma lista de Susan Sontag sobre regras para criar um filho a uma com os efeitos do ópio em quantidade (32 efeitos, sendo o último, a morte), seguida de uma com as contradições do ópio, 26 ao todo, entre elas, provocar sonolência e insônia, levar à loucura e tranquilizar ao mesmo tempo.

Um livro maravilhoso para os amantes de listas. E encerro aqui com alguns itens da lista de F.Scott Fitzgerald sobre “coisas que você não deve se preocupar”.
“Não se preocupe com o passado.
Não se preocupe com o futuro.
Não se preocupe com decepções.
Não se preocupe com prazeres.
Não se preocupe com satisfações.
Não se preocupe com insetos.” (Nota da redação: ignore este item)

PS: Ao final deste artigo, elaborei a seguinte lista.

Listas do livro 125
Listas escritas por (ou para) mulheres 19
Listas de mulheres sobre etiqueta, amor, receitas, filhos, corpo 9
Listas de mulheres sobre quem matou Kennedy 1
Listas de mulheres sobre como ser roqueira 1
Listas de mulheres sobre presentes para a rainha 1 (escrita pela própria)
Listas de mulheres sobre como se concentrar 2
Listas de mulheres sobre o atentado do WTC 1
Listas de mulheres sobre artes e livros 2
Listas de mulheres com nome para invenções 1
Listas de mulheres com nomes de desaparecidos 1

Listas ferrando com as mulheres 2
Listas ferrando com os homens 0

* sujeita a recontagem