Antitutorial da vida

Não sei. Marcenaria, tricô, quais são todos os países da Europa, japonês. Minecraft, tocar violão, costurar um capuz de unicórnio ou panda. Técnica contra assalto de um roubo de bolsa. Em dois golpes. Olho gatinha com delineador. Falar “Rihanna” direito. Me atrapalho. Também. Na diferença de quati para guaxinim. Sei. Receita de tiramisú. Contar abismos.Continuar lendo “Antitutorial da vida”

Bora?

Eu abri a porta e ele estava lá: Fidípides, ele mesmo que, depois de correr 42 quilômetros, me entregou uma mensagem, e era sua, uma coisa linda, escrita de próprio punho, era você me convidando para sair. E enquanto eu lia as mais doces palavras,  exausto, ele se deitou no chão da sala e morreu.Continuar lendo “Bora?”

Fico não

Quando eu estava na porta, veio atrás de mim. Avisei logo que iria sozinha. “Sair?” Tirando minha mão da maçaneta com delicadeza, ele disse assim: “Mas o mundo só é perfeito aqui.” Seus dedos escorregando pelas minhas costas. Devagar. “Nossa cama é gigante, poderíamos foder nela a noite inteira.” Um beijo. Só que eu, euContinuar lendo “Fico não”

Eu e a minha imaginação no parque

Eu e a minha imaginação no parque. Trocamos confidencias e vemos as formigas invadirem nosso piquenique. Eu e a minha imaginação no parque. Comemos maçãs caramelizadas no Expresso do Amor. Eu e a minha imaginação no parque. E os nossos nomes gravados no tronco de uma árvore. Eu e a minha imaginação no parque. DeContinuar lendo “Eu e a minha imaginação no parque”